Portal MixBrasil, Trabalho

Saúde cria mais pontos de testes rápidos durante o Carnaval e aumenta o envio de retrovirais

Eduardo Barbosa

A preocupação com doenças sexualmente transmissíveis, como AIDS e hepatites virais, aumenta durante o Carnaval. Conversamos com o diretor-adjunto do Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Eduardo Barbosa, sobre o trabalho da pasta na conscientização da população sobre como se prevenir contra essas doenças e quais serão as ações do Governo durante todo o feriado.

Quais foram as principais campanhas promovidas pelo Ministério da Saúde antes do Carnaval 2013 para a prevenção das transmissões de AIDS, hepatites virais e outras DSTs?

Ao longo do ano, a gente tem trabalhado com o conceito de “comunicação e saúde”. Estamos trabalhando a comunicação para a população com maior vulnerabilidade, com a construção de materiais de prevenção que podem colaborar dentro de diversos segmentos. Por exemplo, durante todo o ano fizemos oficinas para lésbicas e jovens gays. No próximo mês, teremos oficinas focadas para prostitutas. Com essas oficinas de nível nacional, atitudes regionais podem ser tomadas de acordo com a necessidade de cada local. Além disso, a gente tem investido na conscientização por meio das redes sociais com campanha anuais como as campanhas contra AIDS e a Hepatite B.

Essas campanhas existem há quanto tempo?
Elas acontecem há muito tempo, a mais recente é a da hepatite, que existe há dois anos.

No casso desta campanha mais recente, quais são os resultados que vocês já obtiveram?
Hepatite é uma doença bastante silenciosa, então temos uma grande dificuldade de encontrar as pessoas com o vírus. Por exemplo, antes das campanhas nós tínhamos 2 mil casos registrados, hoje já são cerca de 14 mil casos. Com os testes rápidos disponíveis nos postos de saúde e nos hospitais, fica mais fácil o diagnóstico da doença e assim um melhor atendimento e tratamento para estas pessoas. Também, o Ministério da Saúde trabalha com outras ações como o aumento da data limite para vacinação contra hepatite, de 24 para 29 anos.

Além da promoção de campanhas de incentivo ao uso de preservativo, amplamente divulgado pelo Governo e pela mídia, existem outro métodos que podem colaborar para a não proliferação de DSTs?
O uso do preservativo é o método mais eficaz, já que ele previne a transmissão de diversas doenças, mas para além do preservativo, durante o Carnaval, nos grandes centros de aglomeração como Olinda, São Paulo, Rio, Fortaleza e Recife, estamos ampliando a rede de atendimento rápido conhecida como “Fique sabendo”, que conta com uma equipe de profissionais atendendo turistas e moradores que querem fazer o teste rápido. Lá eles contam com todo o suporte adequado para o exame, e  o resultado sai no máximo em 30 minutos. Já para aqueles indivíduos que foram vítimas de violência sexual, rompimento de camisinha ou tiveram contato com objetos cortantes infectados, é importante que dentro de 72 horas procurem um pronto atendimento, lá é possível fazer uma terapia de exposição sexual. O paciente é submetido a um tratamento com medicamentos retrovirais e tem a chance de anular o vírus antes que ele chegue ao sistema imunológico. Este serviço é de interesse público e deve ser amplamente divulgado. Estamos enviando mais medicamentos retrovirais para as cidades com maior concentração de foliões.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s