Revista Junior, Trabalho

Dormir para viver bem: quem tem HIV deve ficar atento à qualidade do sono

O ato de viver bem está sempre associado em manter uma vida saudável, mas não são apenas alimentação e exercício físicos que fazem com que a pessoa tenha bem-estar. Autoaceitação, autonomia, relações sociais positivas e busca por crescimento pessoal também estão relacionadas ao bem-estar. Neste sentindo, pessoas soropositivas também têm a oportunidade de viverem bem e desfrutar de uma vida com bem-estar, e o que pode ajudar é manter uma vida de qualidade com um sono bem dormido. É o que diz o infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto de Infectologia Emilio Ribas, de São Paulo, referência no tratamento do HIV no Brasil.

“Quando a gente fala em bem-estar, as pessoas acreditam no conceito de viver bem e manterem-se saudáveis. No caso de pessoas soropositivas, este aspecto está relacionado ao uso de medicações para que ele consiga viver com bem-estar” explica Jean. Entretanto, ele alerta que com o uso dos medicamentos retrovirais “o indivíduo passa a ter efeitos colaterais, o que pode fazer com que ele perca esta sensação de bem-estar. Um aspecto que ajuda neste controle está relacionado com a qualidade do sono. Ter uma noite repousante, onde o indivíduo finaliza o seu dia e o recomeça bem, colabora para que ele tenha uma vida mais saudável, mas, algumas drogas podem alterar este sono, fazendo com que ele não repouse bem”.

Existem cerca de 22 drogas disponíveis para o tratamento do HIV. Cada perfil de paciente tem o medicamento mais adequado para o tratamento do HIV, e cada medicamento pode gerar mais ou menos alterações de contraindicação em cada perfil de paciente. Como, por exemplo, a evolução de diabetes, problemas cardiovasculares, inclusive riscos de derrames ou até mesmo infarto. Então, com a alteração do sono é possível regular a melhor medicação para cada pessoa.

É importante alertar que após diagnóstico positivo do HIV, o paciente precisa ficar atento para a prática de exercícios físicos, uma alimentação balanceada e manter regularmente o uso dos medicamentos. “A prática de atividade física é muito importante, já que melhora o desempenho físico e maior disposição para executar trabalhos do dia-a-dia. Também sabemos que o uso dos medicamentos gera uma lipodistrofia, aquela gordura acumulada em determinadas regiões do corpo, que diminuem consideravelmente o bem-estar social dos pacientes soropositivos.”

A alimentação não pode ficar de fora no que diz respeito a ter um bem-estar. “Durante o tratamento com retrovirais, algumas pessoas podem ter problemas com absorção de glicose, ter diabetes e outras complicações, por este motivo a alimentação deve ser rigorosa”, explica.

O mais difícil

O período mais complicado de um soropositivo é o início. “em todo mundo precisa passar por um acompanhamento psicológico, já que algumas pessoas vão fazer o exame preparadas para saber que são soropositivas, outras têm total apoio de amigos e familiares, e este apoio é fundamental. Entretanto, aquelas que não sabem que são soropositivas e não estão preparadas para esta informação acabam tendo um choque no início. E começar o tratamento para estas pessoas é muito complicado.

Um portador de HIV, logo de início, recebe uma chuva de informações para que possa dar início ao tratamento o mais breve possível, “e as contraindicações são o que mais barram soropositivos de darem continuidade ao tratamento, que é fundamental”. É neste ponto que se faz necessário um acompanhamento com psicólogo. “Dar início ao tratamento e aceitar  a nova condição acaba comprometendo o bem-estar do indivíduo. Entretanto, com o devido acompanhamento médico, o paciente acaba se recuperando brevemente e aceitando que a partir daquele momento é soropositivo.”

Vale lembrar que todo o tratamento médico, psicológico e social é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde. “Todo o tratamento necessário é absolutamente gratuito e muito bem direcionado pelo Governo”. De acordo com Jean, do ponto de vista da Saúde, o Brasil é exemplar neste sentido. É possível ter bem-estar sendo soropositivo.

*Publicado por Nelson Neto no portal MixBrasil

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Dormir para viver bem: quem tem HIV deve ficar atento à qualidade do sono

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s